CPI do Senado investigará falsas agências de modelos na web

01/06/2011
Fonte: 
http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5159885-EI7896,00-CPI+do+Senado+investigara+falsas+agencias+de+modelos+na+web.html
Autor: 
Redação
Veículo de Imprensa: 
Veículo Nacional

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas deve abrir investigações sobre atividades de recrutamento de modelos por meio da internet. O objetivo é examinar indícios de envolvimento de agências que, na verdade, atuam na prostituição de mulheres, segundo disse a senadora e relatora da CPI, Marinor Brito (Psol-PA), nesta terça-feira. As informações são da Agência Senado.

Com o apoio de dois policiais federais que assessoram os trabalhos, a comissão deve traçar, na próxima semana, um roteiro para os trabalhos. Marinor recebeu a sugestão para investigar anunciantes e sites através do presidente da SaferNet Brasil, Thiago Tavares de Oliveira, um dos convidados da audiência realizada nesta terça pela CPI. Oliveira citou uma lista de cerca de 700 páginas de recrutamento de modelos que, de forma anônima, foram denunciados à SaferNet. Segundo ele, essas falsas agências operam exclusivamente pela internet - não possuem sede nem endereço fixo.

"Já temos contas de e-mail suspeitas de serem usadas pelas supostas agências para aliciar jovens, tanto para o tráfico interno, quanto internacional associado à exploração sexual", disse Thiago Oliveira. A SaferNet, que colaborou com os trabalhos da encerrada CPI da Pedofilia, se colocou à disposição da comissão que apura indícios de crime de tráfico de pessoas - normalmente associado à exploração sexual e a trabalhos forçados, mas que também está relacionado ao tráfico de órgãos humanos. Thiago Oliveira disse que a CPI anterior não chegou a entrar no exame das denúncias relacionadas a tráfico, mas que agora pode ser a oportunidade para a quebra dos sigilos telemáticos, requisito para a identificação dos aliciadores.

O presidente da SaferNet explicou que os anúncios na internet costumam utilizar o código "ficha rosa" quando querem indicar que recrutam modelos para participar de eventos (feiras, congressos e festas fechadas, por exemplo) que, ao mesmo tempo, fiquem disponíveis para programas sexuais. Jovens que desconhecem o sentido da expressão seriam atraídas pelos anúncios e se tornariam vítimas de situações inesperadas e abusos.